29.11.07

Turzi






















Turzi convida a uma viagem interna, pelos cantos da mente e por muitos do corpo.
Com uma espécie de mantra electrónica, pretende que quem o oiça se entregue a delírios introspectivos. O facto é que às vezes, mesmo não dados a tretas esotéricas, quase levitamos ou, quando muito, damos uma volta por sítios inusitados por meio de sons psicadélicos e uma sábia combinação de art rock e krautrock.

"A música, sejamos iniciados nela ou não, deve conseguir dar-nos as mesmas sensações que o uso de drogas (...), é nossa intenção brincar com o ouvinte, criar indisposição e prazer ao mesmo tempo". - um verdadeiro provocador, este franciu.

"A" marca a estreia de Turzi. Curiosamente, - ou não - todos os temas do álbum começam por essa mesma letra.
Toca a delirar...

Turzi - Alpes (via storage.comfortradio.org)
Turzi - Animal Signal
Turzi - Authority 17
Turzi - Afghanistan (sendspace)
Turzi - Acid Taste (sendspace)

Turzi - Afghanistan


(C)

28.11.07

Say Hi






















Os Say Hi (anteriormente conhecidos como Say Hi To Your Mom) são um quarteto de Seatle liderado pelo multi-instrumentista Eric Elbogen, que se iniciou neste projecto a solo e chegou a editar três álbuns até à chegada de Nouela Johnston nas teclas, do baixista Westin Glass e de Sam Collins na bateria.
O 5º disco,"The Wishes And The Glitch", é editado a 05 de Fevereiro mas, graças às maravilhas da era digital (e seguindo as peugadas das bandas mais in do momento), os Say Hi disponibilizam algumas amostras à borla e a compra antecipada do álbum. Basta ir ao site, carregar no link para o shop e "Wow! Look" - dizem eles -, aparece o pacote, que inclui o disco, uma t-shirt de edição limitada e 3 pins.
Operações de marketing à parte, o disco está repleto de bons momentos e merece, definitivamente, uma escutadela.

Say Hi - Northwestern Girls
Say Hi - Toil And Trouble
Say Hi - Zero To Love
Say Hi - Magic Beans and Truth Machines (via speedofdark-web.blogspot.com)

MySpace

(C)

Josh Rouse - Theatro Circo, Braga, 27-11-07















Afastada a hipótese do concerto ser cancelado por motivos de saúde - a coisa parece que esteve tremida durante os últimos dias - percebeu-se pelo ar cansado de quem se encontra esgotado fisicamente, que a subida ao palco de Josh Rouse na noite de ontem, constituiu um daqueles esforços suplementares etiquetados a vermelho com a frase "the show must go on".

Felizmente, nada disso impediu que o músico fizesse das tripas coração para proporcionar um envolvente concerto, perante uma sala anormalmente cheia e impaciente para assistir à ininterrupta chuva de hits que, durante cerca de hora e meia, fez as delícias de quem se deslocou à "casa da música" de Braga.

Começando de modo algo titubiante com alguns temas do recente "Country Mouse, City House", ligou o piloto automático para retemperar as forças durante "My Love Has Gone", subiu de tom com "Givin' It Up" e a partir de "Holliwood Bass Player" foi ganhando cada vez mais intensidade à medida que foi percorrendo toda a discografia, com especial incidência sobre o incontornável e muito solicitado "1972" - para além do tema homónimo, fez questão de passar pelos inevitáveis "Slaveship" e "Love Vibration", músicas que parecem ter um efeito reanimador, quer no músico, quer no público, que, já no encore com "It's The Nighttime" e "Why Won't You Tell Me What", não resistiu a mandar os lugares marcados às urtigas e ir dançar para a frente do palco.

A acompanhá-lo esteve uma "máquina sonora" muitíssimo bem oleada e cheia de groove, composta por um baixista com pinta de Randy Newman que conduziu os acontecimentos de forma segura e com o ar extremamente bem disposto de quem pagava pare ter o emprego que tem, um baterista sólido e eficiente, que tambem funcionou como segunda voz, e um teclista, desdobrado em guitarrista, que foi colorindo tudo com um toque de classe.
Mesmo não tendo atingido o nível a que já nos habituou e atendendo às circunstâncias, não se poderia pedir mais.


Na primeira parte, Frederic Aubele gastou 45 anestesiantes minutos, num concerto que raramente descolou da monotonia, revelando uma incompreensível discrepância relativamente aos - bem mais apetecíveis - discos.





27.11.07

Pants Yell






















Após alguns dissabores que levaram Carly Smith, o anterior baterista, a abandonar a banda, os Pants Yell estão de volta com novo disco, Alison Statton, cujo nome pediram emprestado à lider dos Young Marble Giants - e as baquetes, afinal, acabaram por ser muito bem entregues à menina Casey Keenan.
Por entre saxofones e trompetas - uma novidade -, cantam-nos bonitas histórias de amor com sabor à inocência de quem ainda acredita no Pai Natal.
Um bom regresso marcado para 4 de Dezembro via Soft Abuse.

Pants Yell - Magenta and Green (via blogsr4dogs.com)
Pants Yell - Tried To Be Good (via skatterbrain.com)

MySpace

(C)

"And the nominees are..."






Já se sabe que estas coisas valem o que valem, no entanto, alguns dos nomes que encabeçam a (previsivelmente incompleta) lista de nomeações para o Plug Independent Music Awards - que se realiza a 8 de Fevereiro em NY - , puseram-me a abanar a cabeça para trás e para a frente em sinal de concordância.
Um especialmente.
Vai daí, fui ao site dos moços e cumpri com o meu dever de eleitor...várias vezes.

Álbum do Ano:
Arcade Fire - Neon Bible
Band Of Horses - Cease To Begin
Battles - Mirrored
Beirut - The Flying Club Cup
El-P - I'll Sleep When You're Dead
Justice - ?
Of Montreal - Hissing Fauna, Are You The Destroyer?
Panda Bear - Person Pitch
Radiohead - In Rainbows
Sharon Jones & The Dap-Kings - 100 Days, 100 Nights
Spoon - Ga Ga Ga Ga Ga
The National - Boxer

Canção do Ano:
Arcade Fire - Keep The Car Running
Battles - Atlas
Bright Eyes - Four Winds
Grinderman - No Pussy Blues
Gui Boratto - Beautiful Life
Justice - D.A.N.C.E.
Menomena - Wet And Rusting
Of Montreal - Suffer For Fashion
Panda Bear - Bros
Sea Wolf - You're A Wolf
Spoon - The Underdog
The National - Fake Empire

Ouçam-nas aqui .

(Z)

26.11.07

REWIND #1

La Bionda - I Wanna Be Your Lover


(C)

White Stripes lançam single com Beck



















Os falsos manos não têm dado muito nas vistas desde aquele infame boato. Ainda assim, ao contrário do Ronaldo, até parados continuam a render. Ou pelo menos "Icky Thump" continua.
Dia 31 de Dezembro é a vez do 7" de "Conquest" chegar às lojas em formato tricolor.
Serão editadas três versões em três cores diferentes (preto, branco e vermelho...claro), sendo que o lado A do single vermelho é uma versão acústica em estilo...mariachi.

Quanto aos lados B, são colaborações recentemente gravadas com Beck, a saber:
"It's My Fault for Being Famous" (vinil preto)
"Honey, We Can't Afford to Look This Cheap" (vinil branco)
Cash Grab Complications on the Matter" (vinil vermelho)

Para fomentar ainda mais o coleccionismo, e porque o novo vídeo tem como temática a Tourada, os singles incluem cromos da Mondo Toro retratando três matadores: El Sloth, El Blanca Rosa e El Perdedor.

White Stripes - Conquest
via anyone‘s guess

Alguém falou em prendas de Natal?

(Z)

Hot chip - Made In The Dark













O melhor ainda está para vir.
Entretanto, enquanto aguardamos pelo prato principal, provem lá estas entradas...

Shake A Fist
I Became A Volunteer

Download zip

(Z)

24.11.07

Weekend Shuffle #1




























1. Susumu Yokota - For The Other Self Who is Far Away That I Can not Reach
2. Emily Haines & The Soft Skeleton - Our hell
3. Josh Ritter - Mind's Eye
4. The Lovekevins - Anorak And Other Complicated Words Beginning With An A
5. The New Caledonia - Zoot Suit Pseudo
6. Stateless - Prism # 1
7. The Seedy Seeds - Earned Average Dance America
8. No Age - My Life's Alright Without You
9. The Honeydrips - Love Will Tear Us Apart
10. Annemarie - Apple (Suicide On Your Stereo Set)
11. Earlimart - Fakey Fake
12. Poni Hoax - She's On The Radio
13. Felix Da Housecat - Like Something For Porno
14. Uffie - Pop The Glock
15. Justice - New Jack
16. Michael Fakesch - Soda

23.11.07

Lindo # 26

Shugo Tokumaru - Green Rain


(C)

The Setting Suns

Os The Setting Suns é o projecto musical que nasceu numa jantarada entre Sam Fogarino dos Interpol e Adam Franklin dos Swervedriver e Toshack Highway.

"I've been a Swervedriver fan from the start, still am. I would have killed just to bang a can for Adam Franklin. now, he makes sense of my melodies, and turns our ideas into a beautiful din. I feel lucky and alive.... and a bit sick from my own sap" - Fogarino dixit.

Quanto a mim, qualquer nova oportunidade de apreciar a arte da baquete de Fogarino é sempre bem-vinda.
No
MySpace da dupla já se podem escutar dois temas bem orelhudos - "Don't Go To Dream State" e " The Way Love Used To Be". Ambos farão parte de EP de estreia que, para já, ainda não encontrou editora que lhe dê o suporte físico (por enquanto, valemo-nos via iTunes).

Tracklisting:

‘Cold War Kids’
‘Yesterday’s Flowers’
‘The Way Love Used to be’
‘Don’t go to Dream State’
‘Cold War Kids (Get Claudius)’
‘Cold War Kids (Cole Porter Kids)’

(C)

Jesse Harris - The Hottest State


Jesse Harris, mesmo não sendo nenhum Ryan Adams, tem feito uns disquitos de americana com salpicos de jazz, que não são nada de deitar fora. A opinião, pelos vistos, também é partilhada por Ethan Hawke - actor anteriormente conhecido por Mr. Thurman -, que incumbiu o moço de criar a banda sonora para "The Hottest State", filme que realizou recentemente e que, não por acaso, até é baseado num livro seu.
Jesse compôs todas as músicas do filme, sendo algumas cantadas por ele e outras por artistas convidados, nomeadamente: The Black Keys, Bright Eyes, Cat Power, M. Ward, Emmylou Harris, e...(era aqui que eu queria chegar).... Feist!
Depois de tantos anos conservada como um segredo bem guardado, é um bocado estranho vê-la, de um momento para o outro, a aparecer por tudo quanto é sítio.
Mas que continua irresistível, disso não há a menor dúvida...

Feist - Somewhere Down the Road
Bright Eyes - Big Old House
Cat Power - It's Alright to Fail
M.Ward - Crooked Lines

Download zip


(Z)

I'm Not There - Soundtrack






















Pelo filme, não ponho as mãos no fogo. É ver para crer.
Quanto à banda sonora, ponho as mãos, os pés e o que for preciso!
O velho rezinga deve estar orgulhoso e com a lágrima no canto do olho.
Eu, sinceramente, nem sei por onde pegar...

Karen O & The Million Dollar Bashers - Highway 61 Revisited
Iron & Wine & Calexico - Dark Eyes
The Black Keys - The Wicked Messenger
Charlotte Gainsbourg & Calexico - Just Like A Woman
Sufjan Stevens - Ring Them Bells

Download zip

(Z)

22.11.07

Bonobo live @ Merlin, Budapest, 05-05-07























As noites de Budapeste não são de rock‘n‘roll, são de puta madre!
Pelo menos esta foi...

Bonobo live band - download zip

(Z)

The Tellers - Hands Full Of Ink



"The Tellers are the best thing to come out of Belgium since chocolate, and everyone loves chocolate!"
- Duckie Music

Reconhecem aquela estranha sensação de gratificação instantânea que temos ao ouvir pela primeira vez o som de algumas bandas, misturada com o receio de saturação a curto prazo devido à facilidade com que determinada música se instala confortavelmente nos nossos ouvidos, e faz zapping ao nosso estado de espírito?

Pois estes miúdos de Bruxelas (não confundir com os pouco audíveis Tellers escoceses) elaboraram uma fórmula irresistível que contém referências a Libertines, Kooks, Strokes, Arctic Monkeys, Violent Femmes e ...Carla Bruni(?), tudo em partes desiguais mas na proporção exacta para, pelo menos durante os próximos dias, serem a nossa nova banda favorita.
Altamente recomendável.

"Hugo" live at Café Central

Add to My Profile | More Videos

If I Say (Die With Me)
More
Confess
Hugo
Download zip

MySpace

(Z)

21.11.07

Pale Young Gentlemen

















Em boa hora se juntaram os Pale Young Gentlemen algures no verão de 2005.
Ao trio, inicialmente formado pelos irmãos Mike e Matt Reisenauer (piano e percursão) e pelo guitarrista Brett Randall, juntou-se mais tarde o baixo de Andrew Brawner e a subtileza do violoncelo de Elizabeth Weamer.
O auto-intitulado álbum de estreia, editado pelos próprios PYG, constitui, quanto a mim, uma das mais prazenteiras revelações do ano.
Com um som dividido entre um teatral indie rock e a folk mais antiguinha, os PYG atrevem-se a primar pela diferença - normalmente é o piano que indica o caminho a guitarras que apenas se atrevem a uma espreitadela, enquanto o violoncelo vai embelezando a paisagem por onde se passeia a voz de Mike Reisenauer.
Perfeito!


Saturday Night (via canyouseethesunset.com)
Clap Your Hands (via hearya.com)
Fraulein (via hearya.com)
Single Days


(C)


Jonquil à la Blogothèque

Plastic Operator + Fantasy Mirrors

Plastic Operator - Different Places
Mal apareceu em cena, o improvável duo composto por um elemento originário de Antuérpia e outro de Montreal, levou logo com o carimbo "New Postal Service" na testa, o qual, não sendo completamente descabido, é um pouco redutor.
Há algo mais aqui a pairar...
Lembram um inspirado cruzamento entre os primeiros passitos electro-pop dos velhinhos New Music (alguém se lembra?) e a cool nerdiness dos Hot Chip.
Um belo naco de electro-pop heaven, tão melancólico como revigorante.

Plastic Operator - "Folder" (directed by Pete Circuitt)


Plastic Operator - The Pleasure Is Mine
Plastic Operator - Peppermint
Plastic Operator - Folder
Download zip

Site
MySpace

Fantasy Mirrors













Agora peguem no cruzamento acima referido, untem-no com uma camada bem oleosa de Giorgio Moroder e atirem-no para a pista de dança mais próxima a ver o que acontece...
Se não ficar tudo doido em menos de dez segundos, eu como o meu chapéu.

Fantasy Mirrors - Human Beings

MySpace

(Z)

20.11.07

Nina Nastasia Casa das Artes de Famalicão, 16-11-07


Dois anos após ter estado no pequeno café concerto da Casa Das Artes de Famalicão para um concerto informal e intimista em que tudo pareceu bater certo - incluindo o fogo de artifício que no final do espectáculo adornou o jardim - Nina Nastasia voltou ao local do crime, desta vez com direito a upgrade para o grande auditório.
Sozinha em palco, colhendo das guitarras o som cristalino que envolve uma voz poderosa e melancólica, foi o antídoto perfeito para o frio que se fazia sentir lá fora, proporcionando momentos capazes de transformar um auditório semi-vazio numa aconchegante sala de estar, onde se perdeu totalmente a noção de tempo e de espaço.
Bem disposta e dialogante, iniciou o concerto com "Late Night", "How Will You Love Me", "I've Been Out Walking" e "I Write Down Lists", todas retiradas do álbum que dominou a maior parte do alinhamento, o último e excelente "You Follow Me" - resultado da frutuosa colaboração com Jim White.
Como não podia deixar de ser, revisitou o incontornável "Dogs", com a belíssima "Stormy Weather" a prolongar o estado de encantamento causado por "In The Evening", não deixando de fora temas como"Smiley" ou "Roadkill".
Depois do regresso a "You Follow Me", houve ainda tempo para recuar até "Run to Ruin" do qual interpretou "Regrets", e, já no encore lamentando ter de recusar o pedido de "In The Graveyard" - argumentando que a solo soaria uma desgraça - terminou o concerto em beleza com"Beautiful Day" e "Our discussion (the matter of)".
Pelo meio, esbanjou simpatia e bom humor num contraste perfeito com a carga emocional por vezes sombria e exasperada, transmitida pela música.
Mais uma vez, fascinante.

"Roadkill"



"Beautiful Day"



"Our discussion..."


Mais vídeos: + | + | +

(Z)

Caribou






















O novo single daquela máquina que dá pelo nome de Caribou, anda à roda a 26 de Novembro.
Retirado do aclamado "Andorra", faz as honras merecidas ao tema "She's The One", aqui com a participação de Jeremy Greenspan dos Junior Boys. Kelley Polar e os Hot Chip também dão uma mãozinha nas remixes.

1. She's the One
2. She's the One - Hot Chip remix (via hotlinkfiles.com)
3. She's the One - Kelley Polar's Hughes Wilson Prom Night In

Caribou - She's the One (@ The Pink Room)


Caribou @ myspace


(C)

19.11.07

Skins

Aviso
Esta hilariante e adictiva série de televisão - para já circunscrita ao Channel 4 -, contém linguagem e cenas susceptíveis de espicaçar a sensiblilidade do espectador, nomeadamente o uso desbragado de drogas e cenas de sexo à maluca.
A banda sonora, no entanto, é inofensiva e recomenda-se.

Trailer (uncut)


Episódio 1 - pt1


Episódio 1 - pt 2


Episódio 1 - pt 3


+info aqui.

amostras da banda sonora: download zip

Shuggie Otis - Ah Uh Mi Hed
Tricky - Hell Around The Corner
DJ Shadow - Mongrel... Meets His Maker
The Earlies - Kelly Brown
Yeah Yeah Yeahs - Date With The Night
Gossip - Standing In The Way Of Control (Soulwax Mix)

(Z&C)

16.11.07

Why? - The Hollows EP


Why?, o quarteto da Anticon que tem contribuído de forma notável para a boa reputação que a weird-pop vem obtendo ultimamente, prepara-se para lançar um novo EP em duas diferentes versões - uma para a América, outra para a Europa.
Para além do épico tema título que antecipa o novo "Alopecia" (a editar em 2008), cada continente teve direito a três temas exclusivos, que vão desde remisturas do trabalho anterior a outtakes do novo álbum.
Atendendo à rodagem que o último "Elephant Eyelash" teve por estes lados, a expectativa é enorme...

Versão americana:
The Hollows
By Torpedo Or Crohn's (a remix by Dntel)
Yoyo Bye Bye (a cover by Xiu Xiu)
Pre-teen Apocalyptic Film Acting (Medley)

Versão europeia:
The Hollows
Good Friday (a remix by Boards of Canada)
Yoyo Bye Bye (a cover by Dump)
Broken Crow (a cover by Islands)

(Z)


Le Loup






















Há por aí música que não se contenta em ser apenas uma propagação de sons.
Há casos raros em que quase podemos sentir-lhe o cheiro, ver-lhe a cor...
Mas é preciso perícia, conhecimento de causa.
É preciso conhecer a arte.
Estes oito de Washington sabem-na toda.

Le Loup - Outside of This Car, the End of the World (via Shakeyourfist.blogspot.com)
Le Loup - Fear Not
Le Loup - We Are Gods! We Are Wolves!
(via hardlyart.com)
Le Loup - Canto I
( via julioenriquez.com)

Site
Myspace

(C)

15.11.07

Lindo # 24

The Whitest Boy Alive - "Golden Cage" (animação de Geoff McFetridge)


(C)

Dust Galaxy
















Dust Galaxy é o nome sob o qual Rob Garza, dos Thievery Corporation, acaba de lançar o seu primeiro trabalho a solo, sendo igualmente o título desse trabalho. Embora mantendo alguns pontos de contacto com o som - já algo estafado - praticado pelos Thievery, nomeadamente no exercício dub de "Sons Of Washington" ou na aproximação à música indiana de "River Of Ever Changing Forms", este é essencialmente um disco rock, no qual Garza pretendeu expressar-se de forma mais orgánica, como músico e escritor de canções (palavras do próprio).
Conforme se pode verificar pelo single "Mother Of Illusion", a sonoridade pretendida por Garza aproxima-se do rock psicadélico dos Primal Scream, contando com a colaboração de alguns dos seus elementos, tendo ainda ido buscar auxílio aos Cornershop e aos Brazilian Girls.
O resultado é uma interessante amálgama de estilos que, não abrindo novas portas, também não envergonha ninguém e vai certamente servir de matéria prima para óptimas remisturas.

Sun In Your Head
Mother Of Illusion
River Of Ever Changing Forms
Sons Of Washington

Download zip

(Z)


Block Party - Flux






















Mais uma encomenda... o vinil 12", "Flux" dos Bloc Party, com edição limitada a 2000 cópias e a remix de Burial (cujo excelente "Untrue" cresce a cada escutadela) no lado B2, do tema "Where is Home".

Bloc Party - Flux (via culturebully.com)
Bloc Party - Where is Home Burial remix (via nialler9.com)

Flux


(C)

The Most Serene Republic - The Men Who Live Upstairs



(C)

The State of Samuel - Here Come The Floods

A pop sueca continua a catapultar talentos a uma velocidade impressionante.
O mais recente chama-se The State of Samuel, tem já um curto currículo editorial, mas é com o novo "Here Come The Floods" que está a ganhar alguma visibilidade. Como vem sendo hábito para aqueles lados, contém canções bem estruturadas e amplamente trauteáveis, neste caso devedoras da herança deixada pelos "jinglejanglin" The Byrds. Bastante recomendável.

The Residents of Gloom
Always Under The Gun
Here Come The Floods
Square Roots

Download zip

(Z)

14.11.07

Foals









Este quinteto do UK é apontado como a "next big thing".
Perfeccionistas e autocríticos q.b., os Foals não alucinaram com o sucesso obtido nas apresentações ao vivo ao ponto de quererem vender o peixe do dia anterior - levam as coisas com calma e apenas editam músicas que se lhes afigurem como magistrais (talvez aqui resida a explicação de terem gravado apenas 6 temas em 2 anos...).
Os "anti-pop pop" Foals apresentam novo single a 10 de Dezembro, um estouro chamado "Balloons".
O 7" e o cd incluem novos lados B - "Brazil Is Here!" e "Dearth".
Por sua vez, o vinil de 12", de edição limitada a 2000 cópias, apresenta uma versão de "Balloons" produzida por Kieran Hebden dos Four Tet.
É encomendar antes que esgote. *

Foals - Mathletics (via fileden.com)
Foals - Hummer (Passions remix)
Foals - Hummer

Foals - Balloons


(C)

13.11.07

Interpol + Blonde Redhead - Coliseu dos Recreios 07/11/07


Interpol
Esperava-se algo mais dos Interpol na sua segunda passagem por terras lusas em menos de quatro meses. No fim de contas, estavam criadas todas as condições para isso - casa cheia e uma multidão manifestamente em pulgas para ver o tão esperado concerto em nome próprio.
Os nova-iorquinos, mais uma vez, deixaram que fosse a música a falar mais alto, num propositado balanço entre retenção emocional e a interpretação de temas geniais, de forma incisiva e sem grandes desvios em relação às gravações de estúdio – toda e qualquer expansividade foi eliminada, à excepção do constante troca-passo de David Kessler.
Pronto, toda a gente sabe que a pose reservada é já uma imagem de marca dos Interpol, que a energia colectiva da banda se circunscreve à exímia execução instrumental dos seus membros - é impossível negar o virtuosismo de Sam Fogarino na bateria, o pulsar insinuante do baixo de Carlos D., as guitarras em meticulosa sintonia de Kessler e Banks, tudo encaixa na perfeição – mas, não conseguimos evitar pensar que, se atitude em palco não fosse “quase fria de tão cool”, estas músicas que roçam a perfeição, poderiam ganhar vida nova para lá do espartilho dos discos.
O alinhamento não deixou ninguém descontente, os três álbuns da banda foram interpolados em partes iguais perante um público audivelmente conhecedor de toda a discografia, e que pareceu escolher como pontos altos os temas mais antigos como "Evil", "Slow Hands", "C'mere" (yes!), " Obstacle 1" e, claro, “Stella Was A Diver…”, embora se tenha confirmado plenamente, que o novo “Our Love To Admire” contém temas dignos de figurar entre os clássicos da banda – “No I In Threesome” e “Rest My Chemistry” são bons exemplos disso.
Foi uma espécie de concerto tântrico, repleto de bons momentos, mas o climax, esse parece que fica para a próxima...

"Narc"


"No I In Threesome"


"Not Even Jail"


"Slow Hands"


"Heinrich Maneuver"


Blonde Redhead
Grande expectativa em relação aos irmãos Pace e à voz luxuriante de Kazu Makimo ao vivo.
Donos de um dos melhores discos do ano, "23", que revelou um visível amadurecimento e segurança musicais em relação a "Misery Is A Butterfly" de 2004, os Blonde Redhead causaram óptima impressão num público “emprestado”, que foi generoso no apreço que raramente demonstra às bandas suporte.
Os apelativos temas, repletos de momentos melancólicos sabiamente entrecortados por uma guitarra e bateria com tudo no sítio, não tiveram o merecido destaque nesta curta apresentação ao vivo. A rever urgentemente.

"23"



(Z&C)

12.11.07

O Mozart da popera...

Rufus Wainwright, Coliseu de Lisboa, 06-11-07


Quando a meio do concerto, Rufus Wainwright dispara uma das suas habituais tiradas, recordando uma noite de embriaguês em palco, na qual lhe ocorreu que poderia muito bem ser ele (porque não?) o novo Mozart, deve ter deixado algumas pessoas a matutar no assunto.
A coisa - exageros à parte - até tem algumas pontas por onde se lhe pegue: a irreverência, a extravagante jovialidade, a originalidade e genialidade (salvaguardando as devidas proporções), são características comuns a ambos. A grande diferença, é que Rufus ainda respira, pode ser apreciado ao vivo e está no seu auge, conforme se pôde comprovar nas suas cinco visitas ao nosso país e nos cinco magníficos álbuns editados até à data.
Todos os concertos foram, no mínimo, avassaladores. E quase todos deixaram a pairar a sensação de que o colorido canadiano, tinha ali atingido o pico, o Everest das performances ao vivo. Os sortudos que tenham presenciado qualquer um dos espectáculos, podem afirmar-se como orgulhosos proprietários de uma experiência única e inesquecível - se alguém sabe construir e "dar" um espectáculo que ultrapassa, em muito, a mera interpretação de canções ao vivo, esse alguém é Rufus.
O portentoso talento enquanto letrista, compositor e performer, mais uma vez, voltou a surpreender e deu (senão o melhor), pelo menos um dos melhores concertos do ano.
Apresentando-se em palco vestido para impressionar, com um glamoroso fato às riscas que parecia saído de um musical de Gene Kelly em versão (ainda mais) gay, e com uma encenação a condizer - as estrelas foram definitivamente libertadas, a começar pelas da enorme bandeira americana que servia de cenário (farto dos US é dizer pouco...), para serem substituídas por réplicas dos mais comuns alfinetes de peito, aka broches, a fazer pendant com os que adornavam os fatos da banda - exímios músicos, nos quais se incluía o aniversariante Matt Johnson, ex baterista de Jeff Buckley, que há muito acompanha Rufus nestas andanças.
O concerto que incidiu principalmente no novo "Release the Stars", tocado quase na íntegra e com arranjos menos over the top, acabou inevitavelmente por percorrer todos os álbuns anteriores ("Art Teacher" foi de uma intensidade fulminante) , incluindo ainda alguns clássicos americanos popularizados por Judy Garland, que fizeram parte do tributo que o músico fez ao mítico show da actriz no Carneggie Hall - "A Foggy Day" e "If Love Were All" afiguraram-se predestinadas à performance Wainwright.
Um não muito breve interlúdio (as estrelas têm destas coisas), serviu para um regresso em look tirolês (lederhosen e meias até ao joelho), com a passagem prometida por "Between My Legs" e a colaboração da sua elogiadíssima prof. de yoga (à falta de voluntários que atacassem as spoken words). O público, desde o início absolutamente rendido, teve ainda oportunidade de confirmar todo o poder e potência vocais de Rufus sem microfone, no tema "Macushla" de raízes irlandesas e inspirado na interpretação do tenor John McCormack - impressionante, no mínimo.
O encore, servido em roupão, começou com "I Don‘t Know What It Is" (absolutamente apoteótico), seguindo-se uma chamada ao palco da Mommy, a folk lady Kate MacGarrigle, que o acompanhou ao piano numa rara interpretação de "Barcelona" e em "Somewhere over the Rainbow" com gostinho de
regresso à infância (por instantes pareceu-nos ter invadido a sala de estar dos Wainwright).
Seguiu-se nova viagem à Judy (Gar)Land: Rufus, sentado no centro do palco, pôs os brincos, o baton vermelho, calçou os sapatos de salto alto e o roupão deu lugar a um casaco de smoking, chapéu de côco e collants pretos a revelar um belo par de pernas. A banda juntou-se à festa, numa desconcertante tentativa de recriar a coreografia original do tema "Get Happy" do musical "Summer Stock".
O resultado? Só caras felizes a despedir-se do "Gay Messiah", pontuadas com algumas espressões de incredibilidade e uma manisfesta vontade de rever tudo de novo.
Now, that‘s entertainment!

Danny Boy

Matt‘s Birthday

Macushla
I Don't Know What It Is

Barcelona

Somewhere Over The Rainbow

Dressing Up...

Get Happy

Gay Messiah


(...Bónus)

(Z&C)

10.11.07

The Marzipan Man - Stories


The Marzipan Man, é o fantasioso alter ego sob o qual o guitarrista dos Satellites, o espanhol Jordi Herrera, gravou o seu primeiro álbum a solo para a editora Primeros Pasitos.
O disco foi inteiramente tocado, produzido e misturado pelo próprio no estúdio do produtor dos Strokes, em Londres (onde o músico actualmente vive), e contém meia dúzia de canções pop bem buriladas - que dariam um excelente EP - à qual se segue outra meia dúzia, mais ambiental e exprimentalista, mas também menos inspirada.
O álbum exala aquele charme muito próprio de uma obra algo artesanal e inocente, que lhe confere uma doçura cativante, reforçada pela temática fabulística das canções.

Take This Wind As An Advice
Sometimes
Merry Prayer
Buddy The Cat

Download zip


Jordi esteve no domingo passado na Jo Jo‘s para um divertido showcase, juntamente com Damon & Naomi, antes de seguirem para o concerto no Mercedes (o qual, contrariamente à prestação da tarde, acabou por se revelar um tanto ou quanto entediante).



(Z)

amiina/Lee Hazlewood - hilli (at the top of the world)



(C)

9.11.07

Grizzly Bear - Friend


O novo dos Grizzly Bear, não sendo propriamente um disco de originais, é um disco original.
O EP de onze temas, agrupa reinterpretações (por vezes bastante radicais) de músicas incluídas em "Yellow House" e "Horn of Plenty", algumas coisas novas, versões, e participações especiais dos amigos mais chegados, como os Band of Horses, Beirut, Atlas Sound ou as CSS.
Uma data de pontas soltas que acabam por constituir um trabalho bastante coeso e apetecível.
Quem disse que restos não são um bom alimento?

Alligator (Choir Version)
Knife (covered by CSS)
Knife (covered by Atlas Sound)
Deep Blue Sea (Daniel Rossen home recording)

download zip

(Z)

Ed Harcourt - The Best Of Ed Harcour, Until Tomorrow Then

Ed Harcourt é um nome indispensável em qualquer colecção de discos que se preze.
Se por acaso ainda houver alguém que não lhe tenha prestado a devida atenção, esta é a oportunidade ideal para remediar o caso, e entrar pela porta grande no universo de um dos melhores cantautores da actualidade.
É que sai este mês um CD duplo, que reúne o melhor (tarefa difícil, com resultados discutíveis) dos seus cinco álbums de estúdio até à data, mais dois temas nunca editados, um dos quais ("You Put A Spell On Me") acaba de sair em single (7") com tema extra ("Sunday") no lado B.
Aqui fica uma amostra (e como bónus, a versão de "Atlantic City" que saiu numa Uncut com covers de Springsteen):

All Your Days Will Be Blessed
Born In The 70's
Visit From The Dead Dog
You Put A Spell On Me
Atlantic City

download zip



(Z)

replay

Radiohead Testcast: Entanglement (pt1)


Radiohead Testcast: Entanglement (pt2 - Bjork's Unravel)


(C)

+ Radiohead...

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Os Radiohead colocaram ontem esta posta no seu blog:

" helo... there will be something on the box tonight, its another test but right now we are entangled in cables however, weather permitting our technical experts will resolve the entanglement, it will be broadcast as a quicktime h.264 stream.
If youve got a mac you'll already probably have quicktime player, if youve got a pc and it doesnt work, you might need to download the installer (click here to download and install) then click on to www2.radiohead.tv. If you would like to view the webcast in the luxury of your own media player (such as VLC, quicktime or realplayer), then copy and paste this address:
rtsp://89.167.182.32:80/entanglement2.sdp".
Stanley

Já estou farta de clicar mas não se passa nada... só um boneco armado em Dj. Andem lá com a cena que já está a ficar tardito!

Update @ 5 AM - Finalmente! Já está a dar e é imperdível, garanto-vos.

(C)

6.11.07

Jimi Tenor & Kabu Kabu + James Chance + Justus Köhnke - Trama/Clubbing, CDM, Porto, 03-11-07

Jimi Tenor & Kabu Kabu
Jimi Tenor, o excêntrico finlandês mutante, mesmo tendo tido algum azar na sua segunda investida ao Porto, não se deixou abater por uma sala 2 desoladoramente vazia, dando um concerto empolgante.
Veio apresentar o interessantíssimo "Joystone", lançado este ano, fazendo-se acompanhar por uma banda que inclui o trio africano Kabu Kabu (ex colaboradores de Fela Kuti), oferecendo-nos uma dose massiva de afro-beat e jazz-funk personalizado, com influências de Sun Ra, Antibalas, Pharoah Sanders, e, claro está, Fela kuti.
Mesmo não sendo nada de novo, é de ouvir e chorar por mais.



James Chance & Les Contorsions
O diabólico e já entradote James Chance (mais um a tocar para as moscas), para além de partilhar com Jimi Tenor a escolha de instrumentos (sax e teclas), é também um grandessíssimo cromo, embora no caso dele, pareça ser uma ocupação a tempo inteiro.
Imparável, alternou a sua possuída e admirável perícia instrumental com um estilo vocal que, já tendo visto melhores dias, lembra um James Brown (de quem tocou "King Heroin") em versão rockabilly, com direito a uns passitos de dança algo decadentes que não destoariam num filme de David Lynch.
Uma experiência sonora feita de free-jazz, punk-jazz revestido de R&B em alta velocidade, que teve os seus altos e baixos.


Entretanto, em total contraste com o que se passava em cima, toda a zona dos bares, na parte de baixo da CDM, estava já repleta de gente que, em clima de festa rija, assistia à fantástica prestação do alemão Justus Köhnke. A multidão que rodeava o homem da Kompakt, acabou por incluir as duas bandas acima citadas, muito ao jeito de um final feliz hollywoodesco.


(Z)

The Lionheart Brothers - Dizzy Kiss

Ultimamente têm aparecido uma série de bandas que vão beber alguma da sua inspiração à cena shoegazer dos anos 90, numa versão revista e actualizada, com resultados altamente positivos.
Os noruegueses The Lionheart Brothers (nome "roubado" a um livro de Astrid Lindgren) são um óptimo exemplo disso. Oriundos de um país com um clima muito pouco convidativo, não admira que passassem grande parte do tempo em casa, tentando criar algo que lhes aquecesse a alma. Esse algo, é uma pequena maravilha de dream-pop psicadélico, que Brian Wilson ou os My Bloody Valentine, não desdenhariam ter feito. Dizzy Kiss, o segundo álbum agora editado, é um disco simplesmente arrebatador (e "Hero Anthem", raios a partam, um verdadeiro portento!).

Hero Anthem
50 Souls And A Discobowl
Bring It Down

Download zip



(Z)

Se não tocam esta... nunca mais lhes falo!



(C)

5.11.07

Fujiya & Miyagi - Fest 2007, Santa Maria da Feira -02/11/07


Havia um de nós ainda não totalmente recomposto da frustração de ter perdido o concerto dos Fujiya & Miyagi na CDM no ano passado mas, - e apesar de algum cepticismo - lá se foi fazendo à ideia que era desta que matava toda a curiosidade acerca do trio fantástico ao vivo (os bilhetes comprados de véspera ajudaram a acalmar os ânimos…).
Inseridos na nova rubrica do Festival Internacional de Cinema Jovem de Sta Mª da Feira, o Fest Sound, os coolest boys de Brighton presentearam-nos com um pequeno/grande concerto, ainda não totalmente digerido de forma conveniente a transpor em palavras.
As surpresas sucederam-se a um ritmo que não deixava fechar a boca: logo à chegada o espanto pelo reduzidíssimo número de pessoas que aguardava o concerto - Tramados pelo Festival de Artes Performativas a decorrer no Porto? Terá sido cancelado, chegámos demasiado cedo, demasiado tarde? - incógnitas como estas espelhavam-se nos rostos das 6 ou 7 pessoas presentes. Escusado será dizer que foi com enorme satisfação que demos conta que os próprios F&M, a dada altura, também já passeavam a cerveja e o cigarro, descontraidamente, pelo átrio do Teatro António Lamoso, onde (insolitamente) o espectáculo viria a decorrer.
Aos primeiros acordes de "Ankle Injuries" e do murmúrio incessante de David Best - "Fujiya, Miyagi... Fujiya, Miyagi" -, ficou claro que fazíamos parte da festa privada, onde não mais de 40 pessoas puderam vibrar com a enorme demonstração de classe e bom gosto que se espalhou ao longo dos temas que compõem o álbum "Transparent Things" - krautrock em versão funk, através do groove contagiante do baixo de Matt Hainsby, da batida simples e eficaz da caixa de ritmos e da subtileza das teclas da responsabilidade de Steve Lewis, das vocalizações sussurradas e guitarra picada de David – tudo servido com extrema simplicidade e prazer genuínos.
Entre o "Sucker Punch", os "uhs" aspirados do tema punk-funk do novo single "Uh" e a explosão do hit "Collarbone", a reduzida plateia foi forçada a esquecer alguma da timidez inicial e a reagir de forma mais expressiva, com movimentos de pés e acenos de cabeça que pareciam concordar com "got to get a new pair of shoes, to kick it with her, not kick it with you". Os presságios funestos iniciais, por esta altura, já se haviam dissipado por completo, dando lugar à enorme satisfação de ver saciadas todas as expectativas criadas em torno destes rapazes.
Já no encore, desculparam-se pelo "Uh" repetente que se seguiria, - houve quem lhes roubasse um enorme sorriso, com a sugestão de que estavam à vontade para repetir todo o alinhamento.
Depois foi a vez de sair da festa com os discos autografados, um desejo correspondido de imediato com uma simpatia e solicitude nunca vistos - à falha da caneta que trazíamos, o próprio David se prontificou a tentar arranjar outra e até ofereceu uma cervejita...





(Z&C)

1990s






















O vocalista Jackie Mckeown e o baixista Jamie Mcmorrow já são veteranos nas lides musicais de Glasgow. Em meados dos anos 90 fizeram parte dos Yummy Fur, cujos band-mates eram, nada mais nada menos que, Alex Kapranos e Paul Thomson dos Franz Ferdinand.
Longe dos sons neuróticos dos Yummy Fur e, após terem andado um pouco perdidos, os meninos parecem ter encontrado o caminho com os 1990s e apostam agora em sonoridades mais imediatas, de puro rock 'n' roll.
(Curiosamente, existe uma banda de Chicago com o mesmo nome -apenas com o acréscimo do "The"-, cujo álbum de estreia, Cold & Kind merece uma escutadela.)
Quanto aos 1990s (os de Glasgow), fizeram o favor de guarnecer as suas Cookies com canções catchy e despretenciosas, daquelas de fácil trautear.

1990s - You'r Supposed to be My Friend
1990s - You Made Me Like It (via fileden.com)

1990s - See You At The Lights


Myspace

(C)