26.9.13

Cults II

Static, o muito esperado segundo álbum dos nova-iorquinos Cults é editado a 15 de Outubro. A avaliar pelas amostras entretanto dispensadas, não perderam um pingo que seja do encanto original.
Ao contrário do que seria de esperar, a separação a nível pessoal do casalinho mentor da banda não causou danos na parceria musical, apenas a tornou mais áspera sonicamente.  
Ronettes com cheirinho a Tame Impala. Soa bem?




farmácia em breve....


Jon Hopkins - Breathe This Air feat. Purity Ring

Mockumentary da semana: Islands



farmácia de serviço

20.9.13

Foreign Fields


Ainda não há muito tempo, Eric Hillman e Brian Holl, editaram sob o nome Flights, o envolvente e contemplativo "Anywhere But Where I am" (2011), que continha uma mão cheia de preciosidades de encher o ouvido como as excelentes "Pillars" e "Mountaintop". O álbum passou injustamente ao lado muita gente e talvez por isso os rapazes tenham decidido, ainda durante a sua promoção, alterar o nome da banda para Foreign Fields, na esperança de melhor fado. Muda.se o nome às abelhas mas o mel continua o mesmo. O novo favo, intitulado "Tuscaloosa", uma pequena cidade no estado de Alabama, é o resultado de uma sessão improvisada para amigos após um concerto nessa mesma cidade, em que algumas faixas do álbum de estreia recebem nova decoração, tornando-se ainda mais calorosas.
O disco - vejam só como os moços são generosos - pode ser descarregado gratuitamente aqui.
Toca a embelezar os ouvidinhos.




The Ballet - Cruel Path

E por falar em álbuns a meio gás com um tema (mesmo, mesmo) do caraças....



farmácia de serviço

Joy Wellboy


A BPitch Control, editora fundada por Ellen Allien em finais de 90 e casa de Apparat e Modeselktor, tem agora dois novos inquilinos, o duo belga Joy Wellboy, formado por Joy Adegoke e Wim Janssens, que acabam de editar o seu álbum de estreia, "Yorokobi's Mantra". Não vai muito além do trip-hop acústico-bonitinho reformulado para o sec. XXI, mas tem pelo menos um tema do caraças.
Aqueles com o braço no ar que perguntam se é este aqui em baixo, podem passar na farmácia para levantar o prémio.



farmácia de serviço

18.9.13

Rhye uno

Há um ano atrás, quando por aqui se chamou a atenção para o então emergente projecto Rhye, não imaginava a dependência sonora que o disco de estreia iria causar no equilíbrio emocional dos meus neurónios, que passarem o verão em festa permanente numa luxúria desbragada à custa de "The Last Dance" (sempre colado a "Loose Yourself To Dance" dos Daft Punk), "Open" e deste jubiloso "3 Days".
Se no final ficarem com um gostinho a Sade nos ouvidos, não estranhem. É um efeito secundário perfeitamente aceitável.


Best Coast - I don't Know How

A semi-desilusão que foi o segundo álbum dos Best Coast, editado no ano passado, poderá vir a ser apagada com a edição de um novo EP intitulado "Fade Away", cuja terceira música entretanto revelada ("I don't Know How") podem escutar aqui em baixo. Se eu tivesse facebook era gajo para ir lá pôr um like. Ou então não.

Hey lá!!

Os nerds responsáveis pelo novo Grand Theft Auto V - que saiu ontem - convidaram uma data de gente de gosto e talento inquestionáveis, para criar a música original que passa nos auto-rádios das carripanas que roubamos para atropelar peões incautos e abalroar carros patrulha. Um deles é o senhor George Lewis Jr, mais conhecido por Twin Shadow, que esgalhou esta bomba high energy destinada a estourar nas pistas de dança de,,,há 20 anos atrás. Alguém sabe onde se pode arranjar uma fatia de vinil disto?




Korallreven - Try Anything Once

Já estava com saudades do Cornelius, obrigado Korallreven.
Pena não terem editado esta talhada de verão há uns meses atrás. Tinha dado mais jeito.



17.9.13

Twin Cabins

Nacho Cano, cumpriu aos dez anos de idade o sonho molhado de muitos mexicanos com fome de mundo : ir viver para o país vizinho, sem ser para ir trabalhar como jardineiro. Saiu-lhe a California na rifa e isso sente-se na sua música, pop retro 80's leve e descontraída, que emana frescura estival por todos os poros. Este EP, é uma segunda tentativa para relançar uma carreira iniciada o ano passado com o álbum "I'm Sure", repescando alguns dos temas e acrescentando outros.



farmácia de serviço 1 | 2

La Mobyda

Não há pachorra para o Moby, mas para o Wayne Coyne nunca há-de faltar.




farmácia de serviço

Wildcat! Wildcat!


São apena 4 temas, mas são o suficiente para que este trio americano de nome apatetado me deixe com imensa curiosidade pelo que pode a vir a caminho. Agora que já nem os próprios MGMT soam a MGMT, é sempre bom saber que ainda há alguém que quer aprender a arte.



farmácia de serviço

15.9.13

Lindo de morrer.


Mesmo quem seguiu com atenção a imaculada carreira de Bill Callahan desde os tempos em que editava como Smog, não estaria à espera que, logo à segunda edição em nome próprio, o homem fosse capaz de criar uma obra-prima da dimensão de "Sometimes I Wish We Were An Eagle", clássico incontestável a que apetece voltar vezes sem conta e um daqueles lugares sonoros a que verdadeiramente chamamos casa. Poderia muito bem ter sido um feito irrepetível sem que daí surgisse qualquer sentimento de orfandade, o seu sucessor, o belíssimo "Apocalypse", manteve o nível suficientemente elevado para satisfazer todos os Callahanólicos deste mundo. Mas eis que chega "Dream River" e a expressão "obra-prima" volta a fazer todo o sentido. O regresso mais aguardado do ano é tudo o que se poderia esperar e muito mais. São oito monumentais temas que vão tornar a fazer deste, o disco da vida de muito boa gente. Em dois deles ("Spring" e "Winter road"), Callahan canta "My eyes are still forming the door that I´m walking trough" e "I have learned to just keep on when things are beautiful", duas frases que, juntas, parecem balizar a sua filosofia de vida. Vida, cujo segredo da felicidade é aparentemente revelado em "Spring", sob uma sensual manta instrumental (a lembrar "Kaputt" dos Destroyer), com uma simplicidade desarmante: "All I want to do is to make love to you with a carless mind".
Preparem-se para não ouvir mais nada durante os próximos tempos.



Em Brooklyn não há disto, carago.

D'Bandada 2013. Porto.






13.9.13

Quentinho


A soul psicadélica que deu corpo a Big Inner, o belíssimo album de estreia de Matthew E. White, tem agora continuação num EP com 5 temas originias intitulado "Outer Face" e cuja edição em vinil se aconselha vivamente. O homem vale o seu peso em ouro. O disco pode ser pago em libras, aqui.



Falta apenas uma semana para terminar o verão em beleza...

Bill Callahan - Small Plane

8.9.13

Alice já mora aqui

Alice Boman - Waiting
Ontem, numa troca de cromos on the road, a caminho do belíssimo concerto de Neil Hannon em Guimarães, acabei por trazer este para casa. Fiquei, claramente, a ganhar.
Para os mais curiosos, vale pena darem uma espreitadela aqui e aqui.



Divinal

Divine Comedy @ Manta | CCVF | Guimarães | 07.09-2013



00:00:00 Assume The Perpendicular
00:04:20 Your Daddy's Car
00:08:43 When The Lights Go Out All Over Europe
00:12:17 The Summerhouse
00:16:36 The Lost Art Of Conversation
00:21:00 Something For The Weekend
00:26:03 Perfect Lovesong
00:29:39 Charmed Life
00:35:06 Bang Goes The Knighthood
00:37:52 The Complete Banker
00:42:11 Generation Sex
00:46:40 Hounds Of Love (Kate Bush cover)
00:50:34 A lady Of A Certain Age
00:56:00 Songs Of Love
00:59:58 National Express
01:04:09 At The Indie Disco
01:07:52 The Certainty Of Chance
01:12:15 Our Mutual Friend
01:16:26 Tonight We Fly
01:19:50 Lucy
01:24:47 The Frog Princess
01:29:49 I Like

5.9.13

New

"New" é a mais recente goma açucarada totalmente audível e potencialmente viciante saída da pena de Sir Macca, feito que já não acontecia desde o excelente "Chaos and Creation in the Backyard" de 2005 (sabiamente produzido pelo mago Nigel Godrich).
O tema chafurda na auto-citação dos dotes melódicos mais característicos do ex-Beatle e tem tudo para agradar até aos Beatlemaniacs menos seduzidos pela sua carreira pós-Fab Four.
A letra, uma pérola entre as silly love songs que ficarão para a história dos clássicos absolutos do jovem setentão, tem tiradas bem esgalhadas como esta: "We can do what we want, we can live as we choose". Podem encomendar já o vosso azulejo decorativo.
Ah, a produção, a cargo do Mário Barreiros inglês - Mark Ronson -, também dá uma ajuda.